quinta-feira, 24 de agosto de 2017

O Gaúcho - José de Alencar | Manuel Canho e seus amigos cavalos


Estamos em 1832 e conhecemos nosso protagonista Manuel Canho - o gaúcho. Ele nos apresenta um personagem sério, determinado, simples, de postura reta e decidido à sua missão.

Sua missão é vingar a morte do pai. João Canho foi assassinado na frente do filho em 1820, quando o gaúcho tinha apenas 8 anos e tinha o maior orgulho do pai.

O gaúcho parte determinado a vingar a morte do pai e sai montado em seu cavalo Morzelo, personagem que por assim dizer, já vingou a morte do seu dono João Canho. No meio do caminho ele encontra a selvagem Morena. Mãe selvagem prisioneira à procura de seu poldrinho.

Muito interessante como os animais aqui são também personagens, e personagens muito presentes e importantes para o curso da estória. Animais com sentimentos humanos ou talvez sentimentos que ignoramos que os animais possam ter. Para mim, foi o que tornou este livro mais especial.

Temos, em meio a esta estória de vingança, uma estória de amor que foi se construindo aos poucos. Catita é uma personagem com vontade de amar, e desde o início declarou o seu interesse por Manuel. Porém Manuel não retribuiu, riu-se de sua paixão - ele só tinha olhos para a vingança. Mas posteriormente ele se encontra também apaixonado por ela. Algumas coisas acontecem para impedir essa paixão.

Não quero entrar em detalhes em relação a tudo que acontece. Mas é preciso dizer que temos muitas ações neste livro muito interessantes: ações, aventuras, dramas.

Nós estamos diante de costumes muito antigos, de paisagens limpas e puras, de personagens com valores agora muito distantes. O autor descreve muito bem a paisagem sulista, e muito bem as vestimentas. Vamos nos deparar com palavras talvez desconhecidas para alguns leitores como "coxilha", "piquete", entre outros.  

É preciso dizer que há um contexto histórico muito importante neste livro. Como disse, conhecemos o protagonista em 1832 e neste ano já se discute sobre a revolução com o objetivo de instalar a República. Isso influencia os personagens e indiretamente Manuel, que começa a trabalhar para Lucas Fernandes (pai de Catita). Em 1835 começa a Guerra dos Farrapos.

Personagens muito bem construídos, eventos isolados muito importantes para a construção da estória, a humanização dos animais, a maternidade (relação de mãe e filho), ambientes e vestimentas muito bem descritos, discussão política e contexto histórico.

É um livro imperdível para nós brasileiros.


*  *  *


José de Alencar nasce em 1829 no Ceará e morre no Rio de Janeiro em 1877 de tuberculose. Escreve O Gaúcho em 1870 e usa o pseudônimo "Sênio" a partir de então.

Alencar cursou Direito, foi deputado, redator-chefe de jornal, Ministro da Justiça. Escreveu críticas, peças de teatro, crônica, autobiografia e 19 romances. Seu apelido em casa era Cazuza.


Fotos da edição do livro de 1953.
Trechos do livro O Gaúcho.

sábado, 19 de agosto de 2017

Trechos de O Gaúcho - José de Alencar


Gaúcho na campanha, s/d
José Lutzenberger (Alemanha 1882- Brasil 1951)
aquarela sobre papel, 21 x 29 cm
Museu Ado Malogoli, Porto Alegre.
fonte da imagem


"-Mamãe.
Palavra inata, que o espírito traz do céu, como traz a consciência de sua origem. Quando Deus encarna as almas, para semear a terra, imprime-lhes dois emblemas indeléveis: a consciência da divindade e a intuição da maternidade; o vento divino e o verbo humano".

"Desde o rugido do leãozinho até o imperceptível estalido da larva, todo o ente gerado diz - mãe.
Também o seio, dotado de faculdade conceptiva, nenhum há que não palpite íntima e profundamente ao eco daqueles sons. Parece que ele conserva a sensibilidade interno do contato com o filho que gerou; a dor, como a alegria, se comunica e transmite de um a outro por misteriosa repercussão."

"Não é só amor, paixão e culto, a maternidade; mas também e principalmente uma reprodução da existência. Renasce a mãe no filho, volve à puerícia para simultaneamente com ele, a par e passo, de novo percorrer a mocidade e a existência."

"Desde que nasce o filho, logo a mãe de novo o concebe, mas dentro d'alma: há aí um seio criador, como o útero; chama-se coração.
Dura esta gestação moral, não meses, porém anos; os estremecimentos íntimos e os repentinos sobressaltos se transmitem; há um cordão, invisível, que prende o coração-mãe ao coração-filho, e os põe em comunicação. A vida é uma só, repartida em dois seres."

"A alma que uma vez subtrai-se ao domínio de outra, reage com um impulso irresistível.
Não há pior déspota do que seja o cativo submisso, quando se revolta."

"O sol despontava.
A manhã límpida e serena esparziu a doce luz aquela terra convulsa. No meio dos sobejos da borrasca, entre as estilhas dos troncos seculares, as farpas de rochedo e o solo revolto, o tenro grêlo da semente rompia o seio da terra; e a flor azul de uma trepadeira estrelava suas pétalas aveludadas."

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

videoclipes by david dean burkhart XIV



Achei uma graça esses meninos encenando.
Aqui o vídeo original.



Mais uma linda montagem.

"I sat down, with a coffee on my bent knee
Looking out, at the burnt land, looking back at me
These used to be green crops
And high on a summer breeze
No it’s fallow fields and clear-cut barren weeds"



Montagem utilizando as imagens dos filmes Coffy (1973), Foxy Brown (1974), Shabe, Baby (1975) e Friday Foster (1975).


Queria colocar esse vídeo pra tocar na minha festa.
Imagens do filme Disco Godfather (1979).


videoclipes by david dean burkhart XIII

sábado, 12 de agosto de 2017

Li um livro que pertenceu ao meu avô / Sobre Oração aos Moços de Ruy Barbosa


Eu não esperava que o título do livro fosse algo relacionado ao curso de Direito, apesar de ser escrito por Ruy Barbosa. “Oração aos Moços” foi um discurso que o autor preparou para doutorandos da Faculdade de Direito de São Paulo, em 1920.

Por estar adoecido naquele dia (ele morreria três anos depois), o discurso foi lido pelo prof. Dr. Reinaldo Porchat.

A edição que eu tenho em mãos é de 1949 e foi dado pelo diretor (na época se escrevia director) na colação de grau da Faculdade de Direito da Universidade do Recife em cinco de novembro para o meu avô paterno Dercílio de Andrade Pereira.

Aqui você vai encontrar algumas fotos dessa edição.

Peguei o livro por um motivo pessoal. O meu pai estava se desfazendo de alguns livros e deixou que eu escolhesse alguns antes de doar. Vi um livro pequeno, e por ser tão curiosa em relação a livros velhos, eu acabei pegando ele. Meu pai contou que era do meu avô.

Não pude conhecê-lo. Ele morreu antes mesmo de eu ter nascido. Meu pai me contou histórias isoladas da infância dele com o pai – rigoroso, militar e leitor assíduo. A morte dele foi um mistério para mim durante anos. Parece que ele se suicidou.

Let’s come back about the book!

No começo achei que ia ser uma leitura chata. Mas como sempre, eu insisti e não me arrependo. Mesmo não sendo da área de Direito, achei as palavras do Ruy Barbosa muito pertinentes e descobri um Brasil que não mudou absolutamente nada de lá para cá sobre política, corrupção, lei e justiça. E para entender melhor, leia alguns trechos que deixei disponível aqui no blog.

Apesar do assunto sério, eu pude rir um pouco dos conselhos do jurista e diplomata Ruy Barbosa.

“Não invertais a economia do nosso organismo: não troqueis a noite pelo dia, dedicando este à cama, e aquela às distrações. O que se esperdiça para o trabalho com as noitadas inúteis, não se lhe recobra com as manhãs de extemporâneo dormir, ou as tardes de cansado labutar”.

Eu consigo ouvir isso da boca dos meus professores da faculdade. Muito normal de professores dar conselhos desse tipo para os estudantes.

Como um bom religioso, Barbosa aconselhava os estudantes a acordar cedo e louvar a D’us.

O autor deu vários conselhos como não faltar com a fidelidade, não antecipar os poderosos aos desvalidos, não se envolver com partidos políticos e etc.

*  *  *

Ruy Barbosa foi muito estimado pelo país inteiro até os seus cem anos de nascimento. Talvez os jovens de hoje, jovens como eu, não tenham ouvido muito sobre ele. Nasceu baiano, morreu no Rio de Janeiro. Era um gênio desde muito pequeno. Seu rosto foi estampado em notas de dez mil cruzeiros e, posteriormente, nas notas de dez cruzados. Seu rosto também estava nos vinte centavos de cruzeiro e em selos do Correio.

Morreu aos 73 anos, em 1923, por causa de um grave endema pulmonar.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

videoclipes by david dean burkhart XIII



Cenas do filme italiano Cicciolina, Amore Mio (1979) dos diretores Riccardo Schicchi, Bruno Mattei, Amasi Damiani.



Memória de férias de verão.



O clipe mostra cenas do filme mudo Berlin: Symphony of a Great City (1927) do diretor alemão Walter Ruttmann (1887-1941).



O vídeo é muito fofinho.
É um curta-metragem de 1970 chamado Minibike Film gravado em super 8mm com locação em Los Angeles.


videoclipes by david dean burkhart XII

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Fotos em Olinda



Algumas das fotografias que eu tirei aqui em Olinda.

Em uma das fotos aparece um urubu de asas abertas na cúpula do Convento de São Francisco em Olinda. 

Uma outra foto aparece um pedaço de altar (retábulo) do século XVIII, localizada no Museu de Arte Sacra de Pernambuco (Maspe).

Espero fazer um vídeo melhor mostrando mais lugares e com mais informações.