segunda-feira, 31 de julho de 2017

julho



isso foi o meu mês de desempregada.
não registrei as faxinas, as louças que lavei, roupas que enxaguei.
essas coisas a gente não compartilha.
abraço.

sábado, 29 de julho de 2017

Esqueça um livro



Dia 25 de julho, milhares de pessoas no país esquecerem um livro, espalhando conhecimento.

O projeto começou no Brasil com Felipe Brandão que criou uma página para divulgar o projeto, o Esqueça um Livro.

O projeto surgiu nos Estados Unidos chamado Book Crossing que consiste em deixar livros em locais públicos para que outras pessoas possam ler. Existe também, nos EUA, uma organização que se chama Little Free Library que são mini bibliotecas ao ar livro. 

Em algumas regiões do Brasil, há geladeiras em locais públicos onde as pessoas deixam livros e pegam com o objetivo de ser mais acessível.

Esqueça um Livro sempre ganha uma data especial todos os anos para que as pessoas compartilhem e possam divulgar o evento ou campanha. Mas qualquer dia, é dia de esquecer um livro.

O recomendado é sempre deixar uma mensagem dento do livro explicando do que se trata o projeto, para que as pessoas entendam e façam o mesmo.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

videoclipes by david dean burkhart XII



uma época que eu queria ter vivido

The softening blows, the blind heights
A warm winter coat, that's a corn rose
The softening blows, the blind heights
That's a cold tow through the corn rows


e essa galera dançando...


e mais dança!
As imagens são de vários números de dança da velha Hollywoon.


um dos melhores clipes que já vi

videoclipes by david dean burkhart XI

domingo, 23 de julho de 2017

Trechos de Oração aos Moços (Rui Barbosa)


"Amigos e inimigos estão, amiúde, em posições trocadas. Uns querem mal, e fazem-nos bem. Outros nos almejam o bem, e nos trazem o mal."

"Que se feche, pois, alguns momentos o livro da ciência; e folheemos juntos o da experiência."

"A vida não tem mais que duas portas: uma de entrar, pelo nascimento; outra de sair, pela morte."

“A regra da igualdade não consiste senão em quinhoar desigualdade aos desiguais, na medida em que se desigualam. Nesta desigualdade social, proporcionada à desigualdade natural, é que se acha a verdadeira lei da igualdade. O mais são desvarios da inveja, do orgulho, ou da loucura. Tratar com desigualdade a iguais, ou a desiguais com igualdade, seria desigualdade flagrante, e não igualdade real. Os apetites humanos conceberam inverter a norma universal da criação, pretendendo, não dar a cada um, na razão do que vale, mas atribuir o mesmo a todos, como se todos se equivalessem.

Esta blasfêmia contra a razão e a fé, contra a civilização e a humanidade, é a filosofia da miséria, proclamada em nome dos direitos do trabalho; e, executada, não faria senão inaugurar, em vez da supremacia do trabalho, a organização da miséria.

Mas, se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas, pela educação, atividade e perseverança. Tal a missão do trabalho.”

"Estudante sou. Nada mais. Mau sabedor, fraco jurista, mesquinho advogado, pouco mais sei do que saber estudar, saber como se estuda, e saber que tenho estudado. Nem isso mesmo sei se saberei bem. Mas, do que tenho logrado saber, o melhor devo às manhãs e madrugadas. Muitas lendas se têm inventado, por aí, sobre excessos da minha vida laboriosa. Deram, nos meus progressos intelectuais, larga parte ao uso em abuso do café e ao estímulo habitual dos pés mergulhados n’água fria. Contos de imaginadores. Refratário sou ao café. Nunca recorri a ele como a estimulante cerebral. Nem uma só vez na minha vida busquei num pedilúvio o espantalho do sono."

"Mas, senhores, os que madrugam no ler, convém madrugarem também no pensar. Vulgar é o ler, raro o refletir. O saber não está na ciência alheia, que se absorve, mas, principalmente, nas ideias próprias, que se geram dos conhecimentos absorvidos, que se geram dos conhecimentos absorvidos, mediante a transmutação, por que passam, no espírito que os assimila."

"Uma vez, que Alcibíades discutia com Péricles, em palestra registrada por Xenofonte, acertou de se debater o que seja 'lei', e quando exista, ou não exista.
- Que vem a ser 'lei'?, indaga Alcibíades.
- A expressão da vontade do povo, respondeu Péricles.
- Mas que é o que determina esse povo? O bem, ou o mal?, replica-lhe o sobrinho.
- Certo que o bem, mancebo.
- Mas, sendo uma oligarquia quem mande, isto é, um diminuto número de homens, serão, ainda assim, respeitáveis 'as leis'?
- Sem dúvida.
- Mas, se a disposição vier de um tirano? Se ocorrer violência, ou ilegalidade? Se o poderoso coagir o fraco? Cumprirá, todavia, obedecer?
Péricles hesita; mas acaba admitindo:
- Creio que sim.
- Mas então, insiste Alcibíades, - o tirano, que constrange os cidadãos a lhe acatarem os caprichos, não será, esse sim, o inimigo 'das leis'?
- Sim; vejo agora que errei em chamar 'leis' às ordens de um tirano, costumado a mandar, sem persuadir.
- Mas, quando um diminuto número de cidadãos impõe seus arbítrios à multidão, daremos, ou não, a isso o nome de violência?
- Parece-me a mim, concede Péricles, cada vez mais vacilante, - que em caso tal, é de violência que se trata, não 'de lei'.
Admitindo isso, já Alcibíades triunfa.
-Logo, quando a multidão, governando, obrigar os ricos, sem consenso destes, não será, também, violência, e não 'lei'?
Péricles não acha que responder; e a própria razão não o acharia. Não é 'lei' a lei, senão quando assenta no consentimento da maioria, já que, exigido o de todos, 'desiderandum' irrelizável, não haveria meio jamais de se chegar a uma lei.

"Não vos mistureis com os togados, que contraíram a doença de char sempre razão ao Estado, ao Governo, à Fazendo; por onde os condecora o povo com o título de “fazendeiros”. Essa presunção de terem, de ordinário, razão contra o resto do mundo, nenhuma lei a reconhece à Fazendo, ao Governo, ou ao Estado."

“Os tiranos e bárbaros antigos tinham, por vezes, mais compreensão real da justiça que os civilizados e democratas de hoje. Haja vista a história, que nos conta um pregador do século XVII.
A todo o que faz a pessoa de "juiz", ou "ministro", manda Deus que não considere na parte a razão de príncipe poderoso, ou de pobre desvalido, senão só a razão do seu próximo... Bem praticou esta virtude Canuto, rei dos Vândalos, que, mandando justiçar uma quadrilha de salteadores, e pondo um deles embargos de que era parente d’el-Rei, respondeu: "Se provar ser nosso parente, razão é que lhe façam a força mais alta".

sábado, 22 de julho de 2017

Fui pra Fenearte 2017



Eu vou de vez em quando para a Fenearte que acontece aqui perto em Olinda. É uma feira internacional de artesanato que acontece todos os anos.

Meus pais e eu fomos só para "passear" e dar uma olhada. Daí tive a ideia de registrar algumas coisas. Ficamos tão cansados que não deu pra ver todas as exposições que havia por ali.

Amei várias coisas por lá. Algumas coisas do Japão, Belo Horizonte e tantas outras coisas. Mas infelizmente sem dinheiro não dá pra comprar nada. Mas acabei comprando uma "cestinha" de passarinho pra colocar na varanda e um palito (não sei como dizer isso) pra prender o cabelo. Um palito que as índias fazem pra colocar no cabelo.

Gostei de várias coisas como disse, vou deixar alguns contatos aqui do que eu gostei:

euQfiz Artesanato Contemporâneo
https://www.facebook.com/www.euqfiz/

Vitrais (Franciscus van Onzen)
fvanonzen@gmail.com
(81) 99690.4695

Tita Araújo
https://www.facebook.com/ateliertitaa...

Cristine de Holanda
http://www.cristinedeholanda.com.br/

Nau Cultural - sal rosa do Himlaia (luminárias de sal)
http://www.naucultural.com.br/

quarta-feira, 19 de julho de 2017

videoclipes by david dean burkhart XI



Cenas no filme surrealista Valerie and Her Week of Wonders (1970).


Só gostei não tem muito o que dizer.


Só gostei não tem muito o que dizer. ²


Eu realmente gosto muito desses vídeos antigos da época de fita VHS.
Muito nostálgico.


videoclipes by david dean burkhart X

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Drones e imagens incríveis


Foto tirada por um drone do Jardim Botânico em Mount Lotly na Australia. O jardim botânico tem plantas originárias de várias partes do mundo, incluindo a América do Sul, Leste da África, Nova Zelândia, Sudoeste da Asia e América do Norte.

Essa foto faz parte do perfil do Instagram "From Where I Drone", onde é compartilhadas fotos tiradas de drones de diversos usuários do instagram.

Esta foto acima foi tirada por Bo Le, usuário do perfil @safromabove.

E também tem o site do projeto: fromwhereidrone.com onde tem notícias e tutoriais relacionados à captação de imagem de drones.

Também Renee Lusano, uma viajante, começou a registrar suas viagens através de imagens capturadas por drones e compartilha tudo em seu perfil do instagram.

E aí, ficaram com vontade de comprar um drone também?!

domingo, 9 de julho de 2017

videoclipes by david dean burkhart X



Nostálgico.
Imagens de um bando de crianças dos anos 70 se esbaldando na nova câmera de 8mm.



Do filme O Parque Macabro (Carnival of Souls) de 1962 do diretor Herk Harvey.


Simplesmente porque eu gosto dessas imagens embaixo d'água.



Imagens do filme The Mermaids of Tiburon (1962).
Não encontrei o filme no youtube :/

videoclipes by david dean burkhart IX

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Trechos de Metafísica de Aristóteles


“tua matéria, tua forma e tua causa motriz diferem das minhas, conquanto sua definição geral seja a mesma” 24

“...a relação entre ato e potência é semelhante à de um homem que está construindo para o homem que sabe construir, do homem desperto para o homem adormecido, daquele que vê para o que possui visão, mas tem os olhos fechados, daquilo que é moldado na matéria para a própria matéria, do produto acabado para a matéria-prima”. 25

É absurdo procurar ao mesmo tempo o conhecimento e a maneira de atingi-lo; e não é fácil conseguir sequer uma dessas coisas. 67-68

“...a incerteza em que nos encontramos efetivamente está a indicar a existência de um ‘nó’. O pensamento, quando perplexo, assemelha-se a um homem amarrado, pois nem um nem o outro pode avançar.”

“...quem ouviu todos os argumentos contrários, como partes numa ação judicial, está em melhores condições para julgar” 69

“...a causa motriz de uma casa é a arte do construtor, a causa final é a função que ela desempenha, a causa material são a terra e as pedras, e a causa formal é a sua definição”

“...a ciência da finalidade e do bem é da natureza da Sabedoria...”

“...só há conhecimento, mesmo das coisas que é possível demonstrar, quando lhes conhecemos a essência...” 72

“E, se não ao filósofo, a quem mais caberia investigar-lhes a verdade ou falsidade?” 73

“...alguns recebem o seu nome pelo fato de possuí-lo, outros porque o produzem, e outros ainda por motivos análogos”. 90

“a experiência fez a arte, e a inexperiência fez o acaso” Pólo

“...algumas coisas não podem existir sem outras com respeito à geração, como o todo sem as partes, e outras com respeito à dissolução, como as partes sem o todo. E o mesmo vale para todos os demais casos” 125

“Este homem, pois, terá morte violenta se sair; e sairá se sentir sede; e sentirá sede se outra coisa acontecer; e assim acabamos por chegar ao que é presente agora ou a alguma ocorrência passada. Por exemplo, o homem sairá se tiver sede; e terá sede se está comendo algo muito salgado; e isto está ou não acontecendo; logo, ele necessariamente morrerá ou não morrerá. (...) se saltarmos aos acontecimentos passados, esse encadeamento de causas também será válido, pois a passada condição em algo já está presente”. 145

“[...] uma mão animada; se não tem vida, não é parte do homem” 167

“tudo que se produz provém de algo e em algo se torna” 187

O ser se divide em: substância, qualidade, quantidade e também em potência e em ato. 190

 “a verdade é perceber e dizer o que se percebe (e dizer não é o mesmo que afirmar)” 205

“o homem é a medida de todas as coisas” Protágoras 209

“A privação é uma condição ou incapacidade determinada ou incorporada a um sujeito” 214

“...indispensável é que as sementes ajam sobre a terra e o sêmen sobre o sangue menstrual”

“...nada se move ao acaso, mas é preciso que sempre haja uma causa motriz...” 256

“O mundo é como uma família em que os homens livres são os que menos liberdade têm de agir segundo a sua fantasia, mas todas ou quase todas as suas funções já se acham determinadas, enquanto os escravos e os animais, cuja contribuição para o bem comum, cuja contribuição para o bem comum é pequena, vivem em geral ao acaso”. 265

segunda-feira, 3 de julho de 2017

update



Já falei aqui que estou numa fase ruim e também que eu estou fazendo um projeto de tirar fotos de gatos e cachorros de rua.

Ainda não deu pra fazer um vídeo sobre esse projeto porque ou eu tiro fotos ou eu filmo (porque agora eu estou com apenas uma câmera). Quando eu pegar minha filmadora de volta, vou pedir para o meu companheiro filmar enquanto estou fotografando.

Este fim de semana que passou não pude sair pra fotografar, não só porque estava chovendo mas também porque eu estava um pouco doente e não fiquei em casa.

Neste vídeo, eu só filmei as plantas da minha mãe. Mas o meu projeto de 55 plantas está de pé.

plantas de Maria

sábado, 1 de julho de 2017

videoclipes by david dean burkhart IX



Eu só consigo pensar em férias prolongadas.



Não sei se essas imagens são de algum documentário...



letra da música



Montagem feita com imagens dos filmes Romance Sentimental (1930) de Eisenstein e Autumn Fire (1931), um filme poético de Herman G. Weinberg.

videoclipes by david dean burkhart VIII